quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Por Você... - Capitulo 02






Ficha Técnica 

Titulo: Por Você...

Subtitulo: (Sem subtitulo) 
Autor: Aldo Andrade  
Capítulos ao todo: Em andamento 
Status: Em andamento
Ano: 2013 
Tema: Romance








Este conto é inadequado para menores de 18 anos
Contem romance homossexual, insinuação sexual e violência.


Antes...

A morte.
Era nela que os meus pensamentos se encontravam.
Acompanhei Math em silencio até onde Jhon nos esperava.
– Podemos ir? – perguntou Jhon.
– Math quer uma carona.
– Claro – concordou meu pai.
– Obrigado Sr. Simons. – agradeceu Math.
Não houve nenhum diálogo, nos despedimos em silêncio enquanto Math saia do carro, me deixando curioso quanto aos seus pensamentos.  


Depois...

O céu estava cinza, o vento uivava enquanto retirava delicadamente as folhas das arvores calvas, fazia frio e eu me cobri com cobertor com meus olhos presos a janela. Tudo estava em um tom sutil fúnebre, o grande dia havia chegado.
O despertador marcou 06h15min da manhã, olhei o criado mudo, abri a primeira gaveta e peguei um frasco de tarja preta. O abri, e ao virá-lo na minha mão segurei um comprimido branco, o joguei na boca e o mastiguei. Fechei o frasco e coloquei de volta na gaveta do criado mudo.
Troquei-me rapidamente, vesti uma camisa preta, calça jeans e o All Star. A casa estava em silencio, Jhon ainda dormia. Direcionei-me até a porta principal. Abri e a fechei rapidamente, sem fazer qualquer ruído.
Caminhei pelas ruas da cidade ainda deserta, levei 15 minutos até chegar à saída norte da cidade, caminhei sem pressa alguma. 
O Sol banhava a água cristalina do lago, o céu estava em seu azul marinho pilhado pelo tom fúnebre. A brisa era gelada, os pássaros cantavam uma doce melodia. O lago era cercado por árvores de uma densa floresta e havia uma rocha na borda do lago. Sentei-me e olhei meu reflexo na água.
No final das contas eu estava triste. Meu plano era simples e a prova de falhas, observando as flores brancas no dia anterior, havia me ocorrido à idéia. As majestosas flores brancas eram regadas silenciosamente. Sem o sistema elas morreriam, mas se o sistema as regasse de mais elas também morreriam.
Não havia nada que me prendesse por mais tempo a esse mundo.
Tirei o All Star e o coloquei de lado, me levantei, suspirei e olhei novamente meu reflexo na água.  Meus olhos começaram a lacrimejar e de um deles escorreu uma lagrima. Enxuguei-a e olhei para o céu com seu tom fúnebre e puro. 
Meu plano era a prova de falhas porque eu não sabia nadar e morreria afogada em um lugar belo e distante onde não havia chance de salvação.
Levantei-me e olhei para a água cristalina e pulei.
O desespero tomou conta do meu corpo.
Automaticamente me debati na água procurando algo em que me segurar, mas não havia nada. Minha boca se abria para gritar, mas não houve nenhum som. Meu corpo estava afundando e pela minha boca entrava água até que desisti fechei os meus olhos e a ultima coisa que vi foi o céu azul e depois do azul pude ver os olhos castanhos, o cabelo negro e desalinhado e no final tudo escureceu.

Meu peito era massageado rapidamente enquanto eu colocava água para fora, foi então que percebi que era Lucas que me ressuscitava, seus olhos estavam desesperados e a boca estava fechada num sinal de impaciência seu cabelo estava molhado.
– Damon – ele me olhou com um leve sorriso e suas feições se tornaram serias em seguida. – No que você estava pensando?
– Eu... – eu não tinha força nem pra falar.
– Você precisa de um médico. – ele me colocou no seu colo, e pude sentir seu peito nu e dentro dele o coração querendo sair. 
Ele caminhou comigo nos braços até um gol prata, ele me colocou no banco do passageiro, fechou a porta e entrou rapidamente. Ele ligou o carro acelerou, a paisagem passava rápido, e cansada fechei os meus olhos, enquanto pensamentos dominavam a minha mente.
Porque a última lembrança que me veio à mente foi a de Lucas? Porque Lucas? Eu poderia procurar por respostas depois, eu estava exausto então dormi.

Quando abri os meus olhos lá estava ele, dormindo numa poltrona. Eu estava deitado em uma cama de hospital, havia vários aparelhos conectados ao meu corpo. A enfermeira entrou no quarto e abriu as cortinas, ela se aproximou de mim e verificou o soro.
– Há quanto tempo ele está aqui? – olhei para a enfermeira que estava ao meu lado examinando talvez meu estado atual.
– Ele?- ela riu – não saiu daqui nem por um minuto, ele esta aqui desde ontem. – ela fez uma pausa e riu docemente – Ele deve gostar muito de você. 
O olhei novamente, mas ele continuava ali inerente preso em seus sonhos. A enfermeira o olhou brevemente e se virou para mim com um sorriso, ela não pronunciava nenhuma palavra, logo depois saiu. Eu não imaginava ninguém deitado em uma poltrona de hospital além do meu pai.
A porta se abriu. Jhon estava com seus olhos verdes cansados e com vestígios de olheiras, o cabelo estava desalinhado e o rosto perdido em pensamentos. Ele trazia um copo de café expresso, provavelmente para Lucas.
– Pai... – o chamei, seu rosto saia da perdição enquanto os seus olhos brilhavam ao ouvir a minha voz.  
– Damon – ele me abraçou – Me prometa que terá mais cuidado, eu não quero te perder – ele me olhava. 
– Eu prometo – eu o olhei e automaticamente meus olhos se fixaram em Lucas, pude ouvir um leve sorriso vindo de Jhon.
– Ele é um bom garoto – o olhei e Jhon o olhava – Ele está aqui desde ontem e já até tentei dizer para ele ir para casa, até os pais dele, mas ele se recusou a ir.
– Eu não o entendo...
– Tenho certeza de que o entende – ele me olhou e me deu um meio sorriso – Você o entende mais do que você imagina.
Ele se levantou e colocou o copo de café expresso em cima de uma mesinha que estava perto da porta.
– Volto mais tarde, você está em boas mãos – Jhon se virou e saiu do quarto, fechando a porta atrás de si.

Aldo Andrade © 2013
Proibida reprodução total ou parcial desse conteúdo em mídias impressas, digitais, seja áudio ou visual sem autorização do autor sob pena criminal e civil.
Todos os direitos reservados.

Este conto é uma Fanfic baseada no romance Folhas ao Vento © 2012

Reprodução de conteúdo concedida pelo autor a
Rutta to Kodama Project © 2012 - 2013

Aldo Andrade
Aldo Andrade

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não é permitido comentários ofensivos.
Não use palavras de baixo calão.
Todos os comentários passam por moderação.
Não consegue baixar o manga? Comente em Links Quebrados.
Faça reclamações e sugestões!

Não recebemos reclamações de outros blogs e sites decorrente ha algum problema nas postagens do nosso site. Por favor mande um e-mail para ruttatokodama@gmail.com

Agradecemos todos os comentários e amamos vocês seus pervs *-*