quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

De Repente Amor - Capitulo 08



Ficha Técnica 

Titulo:  De Repente Amor
Subtitulo: (Sem subtitulo) 
Autor: Aldo Andrade 
Capítulos ao todo: 10 
Status: Completo 
Ano: 2012 
Tema: Romance


Notas
  1. Os capítulos podem ter sido quebrados, ou seja, um capitulo no blogue se tornou dois.
  2. Possuímos autorização do autor para publicar o conto.
  3. Ajude o autor comprando o livro.


Este conto é inadequado para menores de 18 anos
Contem romance homossexual, insinuação sexual e violência.

Esta historia é baseada em fatos reais



Parte II

A partir de agora a historia é marrada por Adam

Rafael me deixou próximo a minha casa, me despedi e caminhei alguns metros ate chegar lá.

Minha casa – ficava ao lado do X-Mart uma loja de conveniência da cidade – era fácil de identificá-la pelo jardim de rosas brancas, as arvores frutíferas que fiavam em frente à propriedade e pela pequena trilha de pedras acinzentadas que levava ate a varanda, lá havia um velho balanço de madeira que fizera parte da minha infância e que me fazia companhia em noites de céu estrelado.

Caminhei silenciosamente ate a porta e abri, de lá se podia ver a escada que dava acesso ao andar superior onde estavam os quartos e os banheiros, mas da costuma visão da entrada da casa algo havia mudado.

Subi para o meu quarto, tomei um banho e vesti roupas leves já que o aquecedor da casa estava a todo vapor. Então me direcionei para a escada e comecei a descê-la quando vi Sam – meu pai – que me esperava sentado em um dos degraus da escada com uma corda na sua mão direita que ele usava para amarrar velhos troncos de arvores e levá-los para os fundos da casa para se fazer lenha.

Eu fui para o corredor que dava acesso a sala e ele seguiu atrás de mim. Eu parei e me virei para perguntar se havia algum problema então ele me olhou nos olhos que estavam vermelhos não sei se por raiva ou por outro motivo, sua voz rouca e grave ecoou em um grito pela casa.

- Você fica com homens?

Fiquei estático. A pergunta havia me pegado desprevenido. Porque ele estava fazendo aquela pergunta? Logo ela que eu tanto evito que eu mais temo responder... Que eu não desejo contar a ele.

- Você fica com homens?

Ele repetiu a pergunta com urgência, segurou meu braço com força e perguntou uma terceira vez com as mesmas palavras esperava por um não de minha parte, mas ele não ouviria isso de mim... Eu poderia não querer que ele soubesse, mas jamais mentiria para ele ou minha amada mãe.

Ele me jogou no chão.

Ouve um ruído.

Um dos jarros que há em uma pequena mesa ao lado do sofá cai e quebra-se ao tocar o chão.

- Me responda!

Fiquei em silencio.

Ele me puxou para o lado, me colocando de pé.

A corda tocou o meu corpo.

Um novo baque.

Ardor.

Algo quente escorria pelo meu braço.

Dor.

Meu pai havia me jogado nos estilhaços de vidro que havia no chão da sala, eu havia me cortado e sangue escorria do meu braço, minha camisa foi cortada e das minhas costas o sangue quente escorria ate encontrar a barra do calção.

- Me responda!

Não respondi e olhando para ele e o vi aplicar sua força na corda. Mais uma vez a corda tocou o meu corpo e ele sempre fazia a mesma pergunta, mas ele já sabia a minha resposta.
Meu silencio era a resposta.

E ele odiava isso e não aceitava que eu seu único filho fosse... Ele odiava as pessoas que se relacionam com outras do mesmo sexo, passei minha vida o ouvindo falar mal dessas pessoas e seria a gota d’água que seu filho fosse como as pessoas que ele mais odiava.
Não houve ruído de choro ou de dor.

Eu já contara trintas lapadas com a corda ensanguentada em meu corpo... Tudo começou a escurecer de repente... Então eu paguei.

Quando voltei a mim, ele ainda estava me batendo, agora com menos força ele estava cansado, eu podia ver o choro da minha mãe que vinha de algum lugar da casa e implorava para que ele acabasse com aquilo.

Arrastei-me devagar ate a porta, me levantei em meio o ardor das minhas costas e do meu corpo que estava vermelho e quase roxo. Abri a porta e sai. Começava a nevar e a partir daí fiquei perdido...

Aldo Andrade © 2012
Proibida reprodução total ou parcial desse conteúdo em mídias impressas, digitais, seja áudio ou visual sem autorização do autor sob pena criminal e civil.
Todos os direitos reservados.


Reprodução de conteúdo concedida pelo autor a
Rutta to Kodama Project © 2012 - 2013
Aldo Andrade
Aldo Andrade

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

2 comentários:

  1. os textos longos com o fundo branco deixa tudo mais cansativo...
    não gostei da mudança ocorrida Z____Z
    Quase paro de ler na metade pelo incomodo dos meus olhos ao ler pro muito tempo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Juka'as não tinha notado que a postagem estava com fundo branco, corrigi o erro e desculpe-nos pelo transtorno... Estávamos postando muito conteúdo e não verificamos todos... Bem o problema foi corrigido e não ocorrera novamente. continue comentando sem esses comentários não sabemos se esta tudo ok. Obrogado pela preferencia e continue lendo nossas postagens! ^^

      Excluir

Não é permitido comentários ofensivos.
Não use palavras de baixo calão.
Todos os comentários passam por moderação.
Não consegue baixar o manga? Comente em Links Quebrados.
Faça reclamações e sugestões!

Não recebemos reclamações de outros blogs e sites decorrente ha algum problema nas postagens do nosso site. Por favor mande um e-mail para ruttatokodama@gmail.com

Agradecemos todos os comentários e amamos vocês seus pervs *-*