quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

De Repente Amor - Capitulo 06



Ficha Técnica 

Titulo:  De Repente Amor
Subtitulo: (Sem subtitulo) 
Autor: Aldo Andrade 
Capítulos ao todo: 10 
Status: Completo 
Ano: 2012 
Tema: Romance


Notas
  1. Os capítulos podem ter sido quebrados, ou seja, um capitulo no blogue se tornou dois.
  2. Possuímos autorização do autor para publicar o conto.
  3. Ajude o autor comprando o livro.


Este conto é inadequado para menores de 18 anos
Contem romance homossexual, insinuação sexual e violência.

Esta historia é baseada em fatos reais




Antes...


Fui ate onde Adam estava.

- Esta tudo bem?

- Esta. Não foi nada.

- Então vamos, vou te levar para casa.

Coloquei meu braço sobre seu ombro e caminhamos ate meu carro.

- Acabou João Paulo.

Foi a ultima coisa que ele disse naquele dia.



Depois...

A neve cobria quase toda a cidade, as aulas haviam sido suspensas e eu passara os últimos dias preso em meu quarto tentando me concentrar em algo. Eu tive bons resultados na resolução do dever de química, havia adiantado alguns trabalhos e só me faltava resolver o dever de matemática do Sr. Tanner.

As aulas voltaram e eu ainda não o tinha visto em todos esses dias. Eu queria saber como ele estava e se precisava de alguma coisa. As primeiras aulas passaram com a habitual rapidez o horário do almoço havia chegado e eu ainda não havia visto ele, as aulas da tarde também se passaram e eu começara a ficar preocupado com ele. Quando finalmente o ultimo horário soou eu me levantei e desci as escadas junto com o amontoado de alunos que conversava ou brincava.

O estacionamento estava vazio, me dirigi ate o meu carro e joguei a minha mochila dentro do carro, entrei e o liguei. Sai do estacionamento e me dirigi à estrada que dava acesso a minha casa, mas antes que eu entrasse no acesso me lembrei que precisava de alguns CDs virgens para grava algumas musicas, dei meia volta com o carro e fui para o X-Mart uma das maiores lojas dessa cidade. Estacionei o carro peguei a carteira e desci do carro foi quando eu o vi.

Ele parecia estar perdido, seu rosto estava inchado e um dos olhos estava roxo. Ele vestia uma camisa regata e uma bermuda jeans e usava chinelo. Aproximei-me dele, ele me olhou e pareceu não me reconhecer por nenhum momento. Ele parecia estar em estado de choque.

- Adam? Você esta bem?

Não houve resposta. Segurei os ombros dele para que ele me olha-se. Ele estava congelando e seus olhos começavam a se fechar.

- Droga!

Peguei-o nos braços e o levei ate o carro, o acomodei no banco de trás, entrei no carro e acelerei ate chegar ao hospital de Marie Clarice. Desci do carro às pressas e o tirei do carro entrei e gritei por socorro. Uma enfermeira se aproximou e gritou por um medico, enquanto um enfermeiro trazia uma maca. Eu o coloquei em cima dela e eles o levaram.

Minha mãe havia ligado, ela estava preocupada por eu não ter ainda chegado em casa. Expliquei da forma mais simples possível para ela o que havia acontecido e enquanto eu dizia que não sairia daqui sem saber de noticias dele, eu ouvi o som do motor do carro. Ela já estava a caminho.

O tempo parecia não passar na sala de espera. O cheiro de detergente me incomodava enquanto eu via o ir e vir de médicos, enfermeiras e enfermeiros. Pareci que eu estava lá a uma eternidade e não havia nenhuma noticia dele. Minha mãe preencheu toda a papelada de internação. Quando o medico – um senhor de idade de mais ou menos 65 anos, ele usava óculos e carregava uma prancheta em suas mãos além do jaleco branco – finalmente se aproximou para me dar alguma noticia, ele olhou para mim e depois para minha mãe.

- Será que posso falar em particular com a Senhora?

- Claro – ela me olhou como se me disse-se pra mim não me preocupar.

- Ele esta bem? Posso vê-lo?

- Sim – respondeu ele – Pode ir lá velo.

Ele caminhou junto com a minha mãe ate uma distancia segura de mim enquanto eu me dirigia para o quarto dele. Quando entrei, ele estava sem camisa e seu corpo estava cheio de hematomas, sua pele parecia ter ganhado um pouco, mas de vida, mas ele ainda parecia mal, ele me olhou com dor.

- Esta tudo bem?

- Ainda estou vivo... – ele tentou ser sarcástico e rir, mas a dor impediu de esboçar qualquer sorriso. – Isso dói. – complementou.

Sentei-me do seu lado e segurei sua mão, ele olhou e apertou a minha.

- O que houve?

- Não foi nada.

- É claro que foi, você esta todo roxo e estava no meio da rua e em estado de choque.

- Não foi nada.

- Não confia em mim? – olhei.

-Confio.

- Então por que não me diz o que houve?

- Por que se importa com isso?

- Porque talvez nos dois saibamos o porquê... – olhei para baixo. – Então não vai me dizer o que houve?

- Meu pai me espancou e me expulsou de casa.

- Mas por quê?

- Nos dois sabemos o por que.

- Não se preocupe eu estou aqui.

O abracei e fique ali por alguns minutos.


Aldo Andrade © 2012
Proibida reprodução total ou parcial desse conteúdo em mídias impressas, digitais, seja áudio ou visual sem autorização do autor sob pena criminal e civil.
Todos os direitos reservados.


Reprodução de conteúdo concedida pelo autor a
Rutta to Kodama Project © 2012 - 2013
Aldo Andrade
Aldo Andrade

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não é permitido comentários ofensivos.
Não use palavras de baixo calão.
Todos os comentários passam por moderação.
Não consegue baixar o manga? Comente em Links Quebrados.
Faça reclamações e sugestões!

Não recebemos reclamações de outros blogs e sites decorrente ha algum problema nas postagens do nosso site. Por favor mande um e-mail para ruttatokodama@gmail.com

Agradecemos todos os comentários e amamos vocês seus pervs *-*